15.2.06

O Poema Lírico


Este óleo me impressiona desde a infância quando ainda não conhecia a pessoa aí representada. Mais tarde li alguns de seus poemas. Bem mais terde ainda soube do artista que o executou e que inicialmente dera-lhe o título de 'Lendo Orfeu'. Este mesmo pintor disse:' As Pessoas que mais admiro são aquelas que nunca acabam'. Não é mesmo possível conhecer ou se interessar suficientemente por algo ou alguém a ponto que conhecê-lo com profundidade e no seu total. Mas percebo que continuamente, como Orfeu, ansiamos ir aos infernos pedir mais luz.

Este quadro pintou-o Almada Negreiros em 1954
Aquí seu auto-retrato.

A composição de um poema lírico deve ser feita não no momento da emoção, mas no momento da recordação dela. Um poema é um produto intelectual, e uma emoção, para ser intelectual, tem, evidentemente, porque não é, de si, intelectual, que existir intelectualmente. Ora a existência intelectual de uma emoção é a sua existência na inteligência, isto é, na recordação, única parte da inteligência, propriamente tal, que pode concervar uma emoção.
Um poeta devidamente apolíneo como este e ao mesmo tempo histérico e paranóico,merece ser celebrado por todos, de Nietzsche a Foucault.

Um comentário:

Alex disse...

qualquer coisa que venha de Fernando Pessoa é sempre muito inteligente, e este homem, falando de inteligência e intelectualidadepara com o poema lírico? ah, é o mestre falanda da vida que entende e sai de suas mãos. Ótimo post. Obrigado pela visita e um abração.