5.2.06

Mais esta de Homero Homem

Cacilda. Preta. Por fome
(essa fome nordestina
sergipe de tão comum)

Cacilda preta, por fome
de comida se dá toda.
Por amor só da a um.

Mau comércio de Cacilda.
Cacilda dorme com todos
mas acorda sem nenhum.

Vigarice de Cacilda
pelas Lapas do sol posto
cavando seu desdejum:

se espoja em cama de vento
apaga a vela a Ogum.
O corpo vira cem pratas.
Com vinte de safadeza
Mais dez de semvergonhice
Cacilda compra pimenta.
Meia-noite janta atum.

Ah profissão de Cacilda
que deita por feijão preto
e nana por gerimum.

Deita, Cacilda. Deitada
a fome quebra o jejum.

Cacilda preta expedita
polvilha pele e axila.

Com talco leite de rosa
desodoriza o bodum.

Cacilda preta expedita.
Sempre fatura algum.

Cacilda negrinha à toa
Mulher de Cosme e Doum.

Com fome se dá a todos.
Jantada, só dá a um.


Sobre Cacilda. Preta. Por Fome.

3 comentários:

Clarice Orwell disse...

Oi Fábio!
Não creio que seja tão complexa, as minhas idéias q são confusas...
Beijoss

sub rosa disse...

Olá Fabio, por que vc retirou o sistema de comentários?
Há umas ilustrações belíssimas em posts passados. São "iluminuras"?
Um abrço e parabéns pelo belo blog.
Meg

Clarice Orwell disse...

Obrigada pelo comentário, entendo q algumas vezes o complexo soa superficial mas, o ser humano não tem uma natureza simples, o Guimarães rosa definiu bem isto em Grande sertão:Veredas.
Parabéns pelo Blog.
Obrigada por me citar entre os blogs preferidos.