5.1.07

O Hotel Literário

A senhoria recolhe os diários dos quartos recém vagos e pretende construir seu próprio diário a partir da leitura deles. Infelizmente ainda está em branco, ela teme que a própria criatividade deturpe idéias originais.
No seu empreendimento é possível alugar um quarto onde se possa ler e escrever. Há salas de leitura para os que não desejam escrever ou para os que não se ressentem da influência ou não temem ressentir-se e estão felizes em manter alguma identidade. Não há camas, apenas cadeiras, poltronas, sofás, tamboretes. Há namoradeiras e bancos de praça para os que preferem a democracia dos corredores. As long-cheses estão lá, mas ninguém mais as usa. Quando solicitaram um genuflexório a novidade tornou-se um ‘hit’ entre os jovens. Há também banheiras, criados-mudos e penteadeiras, mas não há espelhos. As paredes são cegas de janelas e apesar deste detalhe não é um lugar que prima pela discrição. Os amplos portais recebem uma fina gaze a separar os quartos dos corredores.
Os visitantes regularmente voltam ao hotel e retomam seus escritos. Quem o visita pela primeira vez encontra um diário em branco sobre a penteadeira, canetas, lápis, mataborrões, grampeadores, perfuradores. Corretores líquidos e borrachas são proibidos. Por um acréscimo na diária poderá dispor de uma máquina de escrever ou um gravador. O visitante abastado deve requisitar o estenógrafo com antecedência. A senhoria tem muita dificuldade em encontrar estenógrafos, os que lhe oferecem serviços são, na verdade, críticos literários falidos.
Papeis há de todo tipo na recepção, pergaminho e papiro além de pincéis, bico de pena e matrizes tipográficas. Alguns visitantes preferem fabricar seu próprio papel e para isso existe uma cozinha com tudo o que se necessita para tal. A maioria dos visitantes prefere os singelos diários e esferográficas.
Há algum tempo um rapaz solicitou um quarto e uma máquina de escrever. Hoje deve beirar sessenta anos, mas não abandona seu nicho. A senhoria reconhece seu modo monótono de escrever em meio ao martelar de teclas da ala destinada aos que gostam de escrever à máquina. A senhoria tem predileção por esta ala. È o lugar mais organizado, pois ela desculpa sua presença constante inventando quefazeres ali. Ninguém se lembra, mas ela foi professora de teoria musical.
Os diários não podem sair do hotel. Amontoam-se nas prateleiras e forram todas as paredes. Os que não foram assinados recebem uma encadernação vermelha, são os mais procurados. Os datados não possuem chanfradura e acumulam pó.
Ao lado esquerdo do Hotel Literário existe uma funerária.

8 comentários:

Sandra Regina de Souza disse...

Lindo, lindo!! Feliz novo ano pra vc!! Genial essa prosa... Continuo fão dos teus escritos, viu?? Beijos meus

Márcio disse...

E quanto custa a diária? Tenho interesse. Obrigado pela visita!

Alex disse...

Uia! Isso daria um romance hein??? Muito bom!

Alequites disse...

Namastê!

Anônimo disse...

Que clima de sonho, Caio!
Não é nem mesmo teatral, mas algo cinematográfico.
Me lembrou muito os ambientes sombrios e empoeirados dos filmes Delicatessen e Ladrões de Sonhos, dos franceses Jeunet e Caro.

E se estiver a fim, escreva sempre. Vale exercitar e pegar ritmo de criação com esse talento que você tem...

Abração!

Poliana disse...

Nossa,se esse hotel realmente existisse...

Luzzsh disse...

Ah! Que lugar, meu caro...que lugar seria!.....

Belíssimo texto. Tens-me cativa. Volto.

Beijos...

Adonis disse...

Você conseguiu passar com detalhes a cena parada, monótona e devagar deste lugar, a mim soou assim. Abraços.