28.1.10

A vaidade da esfinge burra

A Esfinge Burra descende de antigos deuses pagãos mas converteu-se ao cristianismo. Paquera com o ateísmo socialista mas já desistiu da idéia de que é possível empatar o jogo. Despresa seus fãs esotéricos, mesmo assim aprendeu esperanto e também muitas línguas mortas.

A Esfinge Burra assistiu "O Anticristo" e ficou enojada com a atitude daquela mulher maluca, mesmo assim teve pena de que ela fosse morta do mesmo modo que as pobres bruxas medievais.

A Esfinge Burra, ao contrário de suas vítimas, é crédula. Acredita que sua forma, meio gente meio pássaro ou, mais modernamente, meio leão alado meio gente, lhe confere status. Ao ser criada a Esfinge Burra foi imbuída de uma vaidade exacerbada para que, sentindo-se única, não caísse em depressão feito certos congêneres seus como a criatura de Frankenstein, Dom Quixote, o Golem e Macabéia. Tem certeza que domina os que passam na estrada por estar à margem.

A Esfinge burra vai morrer de fome porque não sabe se as respostas de suas vítimas estão erradas.

2 comentários:

Vampira Dea disse...

Fico na duvida se é bom ou não, ser burra no caso dela.

Andréia Carvalho disse...

A esfinge quer ser devorada.

* conheci seu blog, porque ando lendo por aí. estou lendo teus textos (marcador: meus textos) e parece um teatro de palavras-personagens. me coloco na platéia.

* abraço.